Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Linha esquerda

Blog mais virado para a política, tudo feito pelo telemóvel, perdão pelas gaffes. Mas algo para lerem nos transportes públicos ou onde quiserem. Leitura sempre rápida!

Linha esquerda

03
Dez18

O salario dos burgueses


Raf

Boas, este texto não vem de maneira alguma menosprezar, ou generalizar todos os deputados da assembleia da Republica ou qualquer politico honesto, pois apesar do que eu vou evidenciar, muitos trabalham em prol dos meus ideais, e não merecem qualquer tipo de mal estar da minha parte.

Sabiam que os políticos e administradores públicos auferem em media os mesmos salários que os seus contemporâneos de países como: Inglaterra, Suécia ou mesmo Noruega? mas calma! Os detalhes vão para os benefícios extras, que não se praticam em outros países, como: arranjar tachos em Empresas Privadas logo após cargos públicos, as reformas milionárias após 6 anos ou mais de serviço, e possibilidade de período “part time” no parlamento (que metade dos políticos em Portugal adota), ou seja trabalhar e auferir salario tanto do Estado como do Privado, em um conflito de interesses gigantes.

Desafio também aqui alguém a negar que um deputado português, consegue ganhar mais, ou o mesmo que um deputado Sueco. Com despesas de quilómetros, carro particular e horas de viagem, entre outros luxos, não pode ser rebatível.

Para mim, o que políticos de outros países ganham, não me diz respeito, mas pela pesquisas que fiz, está a par do Salario mínimo nacional nos seus países, por exemplo o que ganharia um professor Académico.
Aqui coço a cabeça, e pergunto como é possível ganhar tão bem, se o nosso salario mínimo não toca os 600€ mensais.

É um atentado á nossa inteligência, o nosso PIB não se compara ao de uma Inglaterra, mas os salários dos “boys” ultrapassa os 2mil euros, mais custos de ajuda. Para não falar da varredela que é a colocação de postos públicos, mudando apenas os atores após eleições. Se vos dei um gosto de como o sistema está deformado, leiam o livro de Gustavo Sampaio, “os privilegiados”, pois podem cair em choque.