Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Linha esquerda

Blog mais virado para a política, tudo feito pelo telemóvel, perdão pelas gaffes. Mas algo para lerem nos transportes públicos ou onde quiserem. Leitura sempre rápida!

Linha esquerda

02
Nov18

Os tapa buracos


Raf

O tapa buracos económico
Boas, já me tinha referido a este assunto em outros blogs, mas desta vez quero tentar explicar de maneira mais explicita, o meu ponto de vista.

Vamos olhar para os nossos valores humanos, dentro da sociedade, tirando as corporações e empresas grandes, concordamos que a pobreza devia ser combatida certo? Mas por contradição, muita gente é contra abonos e ajudas do estado. Querem acabar com a pobreza, mas não querem ver os seus impostos a ser utilizados para esse efeito. A propaganda feita por ideologias mais extremistas, leva o cidadão comum a pensar que, ajudas externas por parte do estado vão para minorias, que não gostam de trabalhar, e não são “dos nossos”. Em parte é um argumento de propaganda com alguma validez, mas um fruto estragado, destrói a colheita?

Quando se esta por cima, a vista para baixo é muito estreita, ao lutar e pressionar o estado a diminuir apoios, estamos apenas a prejudicar a sustentabilidade económica para o futuro . Estes abonos na sua maioria servem para ajudar famílias na nutrição, educacao, saude e o mais importante o apoio ao desenvolvimento das crianças. Crianças essas que sem estes apoios caiem na marginalidade, e aumenta o risco de não se tornarem cidadãos que mais tarde trabalham e descontam, não quebrando o ciclo vicioso da árvore familiar.

Podem perguntar! e eu não tenho direito? Pois ai se tratam de pessoas em risco, que o estado não utiliza para as estatísticas pois ganham um salario mensal, por mais precário e baixo que seja, é riscado das contas, mas se as entidades estatais e patrões realmente se preocupassem, aumentavam o salario mínimo, para condizer com a inflação e diminuir os pedidos a apoios do estado.

Não se trata de saber quem merece receber abonos ou não, mas sim a quem estes chegam, e como aos poucos podemos diminuir essa necessidade.

 

O tapa buracos económico:

Boas, já me tinha referido a este assunto em outros blogs, mas desta vez quero tentar explicar de maneira mais explicita, o meu ponto de vista.

Vamos olhar para os nossos valores humanos, dentro da sociedade, tirando as corporações e empresas grandes, concordamos que a pobreza devia ser combatida certo? Mas por contradição, muita gente é contra abonos e ajudas do estado. Querem acabar com a pobreza, mas não querem ver os seus impostos a ser utilizados para esse efeito. A propaganda feita por ideologias mais extremistas, leva o cidadão comum a pensar que, ajudas externas por parte do estado vão para minorias, que não gostam de trabalhar, e não são “dos nossos”. Em parte é um argumento de propaganda com alguma validez, mas um fruto estragado, destrói a colheita?

Quando se esta por cima, a vista para baixo é muito estreita, ao lutar e pressionar o estado a diminuir apoios, estamos apenas a prejudicar a sustentabilidade económica para o futuro . Estes abonos na sua maioria servem para ajudar famílias na nutrição, educacao, saúde e o mais importante! O apoio ao desenvolvimento das crianças. Crianças essas que sem estes apoios caiem na marginalidade, e aumentam os risco de não se tornarem cidadãos que mais tarde trabalham e descontam, falhando em quebrar o ciclo vicioso da árvore familiar.

Podem perguntar! e eu não tenho direito?
Pois ai se tratam de pessoas em "risco", que o estado não utiliza para as estatísticas pois, ganham um salario mensal, por mais precário e baixo que seja, mas se as entidades estatais e patrões realmente se preocupassem, aumentavam o salario mínimo, para condizer com a inflação e os pedidos a apoios do estado diminuía. 

Não se trata de saber quem merece receber abonos ou não, mas sim a quem estes chegam, e como aos poucos podemos diminuir essa necessidade

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D